• Contacte-nos

  • Em caso de roubo, furto ou perda de cartão, contacte imesiatamente para os telefones:

    +244 222 641 840 ou +244 923 168 840, serviço disponível 24 horas

“Inclusão financeira em África é crucial para assegurar crescimento do pagamento electrónico”

Para Omokehinde Adebanjo vice-presidente da Mastercard para a região do Oeste africano, os sistemas de pagamento electrónico vão mesmo substituir os métodos tradicionais e revolucionar o comércio electrónico em África.

De acordo com o responsável da multinacional norte-americana, que garante serviços de pagamento em todo o mundo (os seus cartões são aceites em quase um milhão de Caixas Automáticos), apesar de a transição estar a ser lenta, os pagamentos electrónicos estão a substituir as moedas, as notas bancárias, as ordens de pagamento e os cheques em África. Basicamente, existe uma enorme procura por meios mais rápidos, eficientes, seguros e cómodos de pagar bens e serviços.

Em grande medida, foi esta a mensagem que Adebanjo transmitiu durante a 16ª edição da CBN Cashless Card Expo, evento que teve lugar este ano em Lagos, na Nigéria, durante o mês de Junho, e onde se falou sobre novas formas de pagamento para o comércio a retalho no continente e a emergência de uma revolução no comércio electrónico.

Não obstante, existe todo um caminho a percorrer, principalmente porque dois terços da população africana encontra-se excluída do sistema bancário e financeiro, quanto mais não seja porque muitos não têm (ou não conseguem ter) uma conta aberta num banco. Daí a necessidade de tornar estes serviços mais fáceis e acessíveis a milhões de africanos com baixos recursos, refere o diário Business Day.

“Em África, a inclusão financeira é crucial para assegurar o progresso económico sustentável e o crescimento do pagamento electrónico ao longo da região e em outros mercados emergentes. Isto se tivermos em conta que diversas áreas do continente ainda não têm um sistema bancário, enquanto os que têm estão progressivamente a migrar de uma sociedade baseada no dinheiro para métodos de pagamento electrónico”, frisou Adebanjo, de acordo com o Business Day.